Observatório Político Brasileiro

Artigos assinados; clipping e crítica de notícias políticas de interesse público

Inglaterra quer controlar a Amazônia dos brasileiros

Financeirização da floresta


O empresário brasileiro Jorge Pinheiro Machado foi um dos organizadores do convescote. Sua impressão da reunião do príncipe Charles com os governadores da Amazônia é a seguinte: Sua Alteza quer ser interlocutor privilegiado entre as personalidades brasileiras envolvidas nas questões amazônicas e as lideranças britânicas interessadas na ‘proteção’ da floresta amazônica e promover uma espécie de ‘financeirização’ das florestas nativas via remuneração dos ‘serviços ambientais’ que elas prestam à humanidade. A linha de ação do esquema prevê a melhoria da qualidade de vida dos povos da floresta — leia-se índios — para que se transformem em ‘guardiões das florestas’.

Para isso, os ingleses pretendem fazer investimento pesado. Segundo Machadoa comunidade britânica estaria disposta a desembolsar cerca de 10 bilhões de libras esterlinas (mais de R$ 50 bilhõespara remunerar os serviços ambientais prestados pelas florestas. O que se discute agora são as formas de captação desses recursos, se por pagamento de ‘bolsas-floresta’, por aporte direto aos fundos estaduais de meio ambiente, por projetos específicos ou ainda por outros mecanismos financeiros.

 

Leiam a matéria completa no link abaixo, é muito importante ler no final do texto, os comentários dos Mestres:

http://niobiomineriobrasileiro.blogspot.com/2012/01/inglaterra-quer...

Exibições: 242

Tags: Amazônia, Bolsa-floresta, Corrupção, Omissão Governamental, interferência estrangeira na Amazônia, príncipe Charles

Comentar

Você precisa ser um membro de Observatório Político Brasileiro para adicionar comentários!

Entrar em Observatório Político Brasileiro

Comentário de Marilda Oliveira em 20 janeiro 2012 às 9:59

O viés legal parece ter dado lugar a uma arbitrariedade jurídica que, talvez, massageie o ego do ministro-mor do STF. Há quem veja uma tendência do Supremo em rivalizar – como se, constitucionalmente, mais poderes tivesse – com os outros poderes da República, notadamente, com o poder Executivo. Isso já ocorrera na era Gilmar Mendes e, agora, repete-se com Peluso.

 

Veja o que me respondeu o STF aos meus questionamentos que é resposta única a todos os cidadãos:

O art. 102 da Constituição da República determina ao STF a guarda da Constituição Federal. Na área penaljulgar os três poderes nas infrações penais comuns, em grau de recurso Habeas Corpus, Mandato de Segurança, Habeas Data e o Mandado de Injunção decididos em única ou última instância pelos Tribunais Superiores, se denegatória a decisão, e, em Recurso Extraordinário, as causas decididas em única ou última instância, quando a decisão recorrida contrariar dispositivo da Constituição. E tem mais: que de acordo com o art.2˚ da Carta Magna são três poderes, Legislativo, Executivo e Judiciário, independentes e harmônicos entre si. E tem mais: No que diz respeito à elaboração, alteração ou revogação de leis, cumpre ressaltar que é função do poder Legislativo, cabendo ao Poder Judiciário interpretá-las, e especialmente ao STF, julgar sua conformidade com a Constituição Federal, desde que devidamente provocados, nos termos da legislação processual em vigor...

Nunca é demais lembrar que este mesmo STF, pela caneta do ministro Marco Aurélio Mello,  concedeu [em 2000] habeas corpus ao ex-banqueiro-ladrão, Cacciola permitindo-lhe a posterior fuga para a Itália que se negou a extraditá-lo sob alegação de que o bandido era cidadão italiano. A captura de Cacciola só se deu em 2007, quando o meliante entrava no Principado de Mônaco. Questionado sobre a concessão do habeas corpus a Cacciola, o Ministro Marco Aurélio Mello, foi claro e soberbo ao afirmar que repetiria a concessão sem problemas. O mesmo cinismo se deu com Gilmar Mendes ao conceder vários habeas corpus ao  banqueiro bandido Daniel Dantas (ProtógenesQueiroz). ─ Vale lembrar, quando o STF julgou a demarcação da Reserva Ianomâni (Quem?RobertoGamaSilva) em Roraima o ministro Marcos Aurélio foi o único contra: porque?... seu primo Collor de Mello foi quem legalizou a Reserva Ianomâni em 1992 não restando outra alternativa ao ministro... mostrar aos menos esclarecidos que luta pela soberania brasileira,  quando sabemos que  patriota eles não estão mostrando ser.

 

Portanto Sérgio, se cabe ao STF guardar a Constituição, julgar as arbitrariedades praticadas pelos três poderes, porque praticam tantas ações que vão contra a Soberania Brasileira e ao Estado Democrático de Direito, usando cinicamente como desculpa pela omissão,  a tendência em rivalizar. Então lhe pergunto?  Para que serve o STF?

Saudações,

Marilda Oliveira - SP

Comentário de sergio antonio baldassi em 20 janeiro 2012 às 6:14

Nossos governantes maximos se contentam so com afagos no ego, exemplo de Bush (pai) para Collor ao compa

ra-lo a Indiana Jones e recentemente de Obama dizendo este e o cara ao nosso ex. e ainda homenagens recebi

das da familia real, ou e so coincidencia!

Comentário de Marilda Oliveira em 6 janeiro 2012 às 18:36
Ivo, suas firmes palavras confirma para mim o que estamos debatendo a tempos... a Ordem Globalista. Estes únicos donos estão perdendo credibilidade em vários lugares no mundo porém no Brasil, as governanças impatriotas escancararam as portas do possível e a EXPROPRIAÇÃO está caminhando por passos largos tão desenfreado que não conseguem mais enganar a todos. E os laranjas são absolutamente visíveis. A tal ponto do caos e da desordem, que as togas do STF querem punir as togas do CNJ porque?  para ganharem tempo e dar a sensação que estão fazendo justiça  quando sabemos que NÃO EXISTE JUSTIÇA NO BRASIL PARA O CIDADÃO BRASILEIRO.
Existe a Justiça no Brasil apenas para os Laranjas  impatriotas que representam os  donos do mundo como os Rockfeller, os Rothschild, Jorge Soros, JP Morgam... e as governanças aliadas ao STF fazem vista grossa.
E o pior de tudo O SILENCIO DAS FORÇAS ARMADAS...

De "GOVERNANÇA" em "GOVERNANÇA" estão pretendendo governar os  Estados sub e eternamente em desenvolvimento, de fora desses Estados para dentro desses Estados.
Admira-se a perseverança e a pertinácia na perseguição dos objetivos e até a criatividade na construção de "teses" para disfarçar o que é visível. Mas, considerando que a experiência já foi tentada com funestas conseqüências (2ª. Guerra Mundial) toda a atenção é necessária, resistir é preciso, é questão de inteligência, é questão de sobrevivência.

Acreditem no Brasil amigo e inclusivo, que insiste em resistir e resistir sempre. O Brasil não se deixa governar de fora para dentro. O Brasil merece respeito! Por Profa. Guilhermina Coimbra
Comentário de Ivo S. G. Reis em 6 janeiro 2012 às 15:46

A invasão da Amazônia e a evasão de divisas, como sabemos, já vem acontecendo há décadas, com a conivência (por silêncio e consentimento) do governo brasileiro. Começou a se intensificar lá atrás, no Governo Collor, com a criação da reserva indígena Ianomâni, e perdura até hoje. Estamos entregando a amazônia e as nossas riquezas, começando por Roraima.  Por que o estranho silêncio do governo e da mídia? E por que os militares estão impedidos de se manifestar publicamente? Por que nada se fala sobre a exploração do nióbio? Por que a região está infestada de ONGs internacionais e por que brasileiros não podem circular livremente por lá?

São muitas as perguntas, muitas mesmo, todas sem resposta do governo. Até o STF se curvou aos interesses internacionais e do governo brasileiro, quando aprovou a demarcação contínua da Reserva Raposa Serra do Sol. O Brasil é uma colônia disfarçada, conquistada sem guerras e sem o disparo de um só tiro. Aqui o que funciona são as conspirações com os traidores da pátria regendo tudo. É lamentável que o povo brasileiro assista a tudo isso pacificamente, sem se manifestar. Até quando?

Noticiário Recente

*** Em atualização ***

Links Indicados:



Visitantes, a partir de 06/05/2009:

Efeitos Especiais


Assinar o feed


diHITT - Notícias


© 2017   Criado por Ivo S. G. Reis.   Ativado por

Relatar um incidente  |  Termos de serviço